Mais finais de semana estendidos de sossego e paz

Por Márcia Martins

Nada como uns dias desfrutando das belezas de Canela e Gramado, duas cidades maravilhosas da Serra Gaúcha, para desligar o pensamento da rotina estressante que envolve o processo da mudança de apartamento. Nada como a família para perceber que seu parente mais próximo está prestes a explodir de ansiedade de tanto olhar imóveis, pesquisar preços de transportadoras, providenciar papéis para o contrato - e eles variam conforme a imobiliária - e planejar uma viagem em tempo recorde. Nada como não ter hora para acordar, não se preocupar com os ponteiros cruéis da balança, tentar não dar atenção ao noticiário e expulsar da mente qualquer tipo de preocupação.

Dias inaugurados com apetitosos cafés da manhã composto por guloseimas caseiras e noites encerradas com rodízio de fondue e taças de vinho tinto na companhia da família. Manhãs enfeitadas pelas longas caminhadas nas ruas nervosas e floridas de Canela, pelo passeio ao redor do exuberante Lago Negro ou visitando as malharias de Gramado. Tardes de preguiça, sonolência e pés para o alto. E noites consumidas pelo ócio contemplativo, pela conversa jogada fora e sem permitir nenhum assunto mais pesado ou inconveniente, pelo campeonato de canastra, pelo barulho dos dados no jogo de general e pela postura desajeitada do corpo atirado no sofá.

Assim foi o meu último final de semana que começou na sexta-feira depois do almoço e só findou na terça no início da tarde. Um período estendido de folga, sossego, descanso, tranquilidade e faceirice. Sem pensar no sorteio dos boletos a vencer. Sem fazer as contas de quanto irei gastar com o transporte da mudança. Sem refletir sobre o desgaste que consome corpo e alma todas as etapas de desapego. Sem imaginar que a imobiliária responsável pelo apartamento que decidi alugar poderia vir a solicitar mais e mais documentos. Sem permitir qualquer tipo de ponderação negativa, emoção acelerada ou medos infundados.

Nem sempre é possível conciliar finanças, tempo disponível e companhias para tais finais de semana. Nem sempre se consegue reservar algum lugar para se hospedar em cidades turísticas tão concorridas sem um planejamento prévio, ainda mais em pleno período das férias escolares de Inverno. Nem sempre o tempo nos brinda com temperaturas agradáveis que possibilitam o passeio diurno e a saída noturna. Não é sempre que tudo corre perfeitamente, sem nenhum tipo de arranhão. Mas, quando estes fatores se reúnem, assim de modo tão aleatório, como se fosse uma espécie de brinde, de recompensa pela neurose dos últimos tempos, não há do que reclamar.

Por isso, no meu retorno a Porto Alegre, em que já na chegada quebrei a chave na fechadura da porta principal do apartamento que, em breve, deverá ser desocupada por mim, só posso agradecer pelo lazer, pelo repouso, pela diversão, pelos passeios, pela despreocupação e pela folga. Obrigada família que me proporcionou estes momentos. Obrigada habitantes de Canela e Gramado sempre atenciosos. Obrigada tempo pela sua generosidade. Gracias a la vida, que me ha dado tanto. Por mais finais de semana estendidos de sossego e paz.

Autor
Márcia Fernanda Peçanha Martins é jornalista, formada pela Famecos/PUCRS, militante de movimentos sociais e feminista. Trabalhou no Jornal do Comércio, onde iniciou sua carreira profissional, e teve passagens por Zero Hora, Correio do Povo, na reportagem das editoriais de economia e geral, e em assessorias de comunicação social empresariais e governamentais. Escritora, com poesias publicadas em antologias, diretora do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do RS (Sindjors), e secretária do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher de Porto Alegre (COMDIM/POA). Tem o blogmarcinhaprodigio.blogspot.com. É mãe da Gabriela e avó dos caninos shih tzu Dalai, agora uma estrelinha, e do vira-lata Quincas Fernando.

Comments