Speakers do último Ahead! falam sobre representatividade na propaganda

Presença feminina na publicidade é tema levantado pelo público

Edição valor de marca do Ahead!

Ainda durante o painel entre as convidadas do último Ahead! do ano, o público presente foi motivado a interagir fazendo perguntas. A presidente da Associação Riograndense de Propaganda e diretora-executiva da DeBrito Sul, Liana Bazanela, questionou a opinião das speakers sobre a presença feminina nas propagandas, quando 65% das brasileiras não se sentem representadas. Danielle Ribas, vice-presidente global de Marca, Comunicação e Conteúdo da Avon, foi categórica: "Precisamos cobrar isso das marcas e das agências".

A executiva ainda compartilhou uma situação vivida com a Thompson, sua agência nacional, durante uma reunião de performance review: "Na mesa, tinham duas mulheres: eu e a minha planejamento. Fiz questão de falar a todos que a prioridade do ano era que aquele time fosse mais feminino, pois o meu público é 90% feito por mulheres. Como posso falar com elas sem essa representatividade interna?", indagou. Além disso, quando teve acesso à uma pesquisa que tratava de assédio contra mulheres dentro das agências, ligou para o presidente da Thompson se dizendo chocada com o conteúdo e questionando o que eles estavam fazendo para mudar aquele cenário.

Na visão de Maria Fernanda Albuquerque, diretora de Marketing da Skol, ter pessoas e parceiros que ajudem a conversar com o seu público, com os termos certos, faz toda diferença. "Precisamos, cada vez mais, de pessoas altamente capacitadas e com alta diversidade, pois os olhares são muitos diferentes sobre o mesmo tema", observou a executiva, ao salientar que é extremamente necessário ter humildade para admitir que não se sabe tudo.

O diretor de Publicidade e secretário-adjunto de Comunicação do Rio Grande do Sul, Tiago Dimer,questionou as convidadas sobre a polarização da sociedade no âmbito político. "Há espaço para uma marca se posicionar politicamente e continuar sendo respeitada?", perguntou. Danielle ponderou que espaço sempre terá, mas que, pessoalmente, acha uma situação extremamente delicada. "Ainda que as marcas precisem ser genuínas, levantar uma bandeira política é um risco enorme", opinou. Maria Fernanda, por sua vez, complementou que existem canais certos para atingir determinados públicos e, para isso, não é necessário saber como ela se posiciona no âmbito político.

Comments