"Twittices"

Por Luiz Adolfo Lino de Souza, para Coletiva.net

A estratégia global de comunicação nas redes sociais está clara. No público ou privado, o objetivo é chamar a atenção. E, como se fosse um combo, causar (muita) indignação para que a mensagem seja amplificada à exaustão.

Nada muito diferente da clássica expressão "a melhor defesa é o ataque". No cenário digital das redes, quem for mais visto, ou revisto, ganha a batalha desta guerra.

Controlar a informação é tática de confronto que Trump, e seus seguidores em varios países, usaram para ganhar eleições e, no poder, continuar mobilizando os seguidores.

O professor de linguística George Lakoff, da Universidade da Califórnia, em Berkeley, no livro 'Don't Think of an Elephant' explica que a receita para influir na rede é lançar polêmicas fora de hora, desviar a atenção e distrair, mudando de assunto ou colocando temas como balão de ensaio para testar a reação geral.

Por isso, nos vemos soterrados na discussão das barbaridades de última hora e, de novo, na surrada "falem mal, mas falem". O que importa é estar à frente em cada debate para dirigir o controle da narrativa. E, claro, manter a bolha unida. Quem tem mais razão?

Estes primeiros dias de Brasil, Carnaval incluído, foram fartos de tuítes e mensagens de aplicativos que nos deixaram tontos. E as bolhas se reuniram em blocos.

Mas, o mundo gira e a eleição acabou. Pelo menos o TSE e a imprensa registraram o fato. E 2019, enfim, começa.

Não custa lembrar que a função do Jornalismo e de seus profissionais (responsáveis) exige que as autoridades assumam suas reais tarefas.

Uma pausa na distração e xingamentos. Os governantes precisam atuar além de suas bolhas. E a imprensa? A imprensa deve seguir apontando os erros à beira da fogueira digital. E cuidando dos seus próprios erros também.

Afinal, não custa sempre lembrar: a imprensa não deve servir aos governantes, mas aos governados.

Luiz Adolfo Lino de Souza é jornalista e professor da PUC, e presidente da Associação Riograndense de Imprensa (ARI).

Comments