Variáveis e motivação

Por Flavio Paiva

Fechado o mês, feito o 'feriado' (que, em muitos casos, só atrapalha). E recomeça a peleia. A luta, o fight segue exigente, demandando, para isto, motivação. E é preciso estar motivado a cada dia, a cada hora do dia, o que aqui para nós não é tarefa assim tão fácil. Mas pode-se lançar mão de algumas estratégias e uma delas é o conhecimento e reconhecimento das variáveis.

Aumentou o número de variáveis consideravelmente nos últimos anos. A fragmentação dos cenários, dos modos de fazer, da tecnologia, dos modos de fechar um negócio, do próprio cenário micro e macroeconômico. Claro, dirão alguns, isto vem ocorrendo desde a queda do Muro de Berlim. De fato, ali foi o grande impulso para a fragmentação, que posteriormente foi acelerada pelo incrível desenvolvimento da tecnologia. Quase nada será como antes. Eu disse quase. Porque relações de confiança entre as pessoas existirão ou não. Ou você confia no parceiro de negócios, ou não confia. Isto ainda é muito humano. Mesmo que ele seja um adversário em um momento e se torne um parceiro por um período.

Mas voltemos às variáveis: basicamente e para simplificar, temos as variáveis nas quais podemos exercer influência decisiva e até controle e as variáveis sobre as quais ou exercemos pouquíssima ou nenhuma influência. Obviamente (e já foi dito incontáveis vezes), o foco deve ser sobre as variáveis controláveis. Domínio destas variáveis. Passa antes pela muito bem pensada identificação destas variáveis. Realmente, quais são as variáveis? Como posso dividi-las e agrupá-las? Esta tarefa, que parece simples falando, às vezes não é tanto assim. Mas vale empreender energia na identificação e classificação das variáveis.

Se você acha que esta parte do processo é simples, das duas uma: ou você está ignorando uma série delas e agrupando-as de modo simplista demais, ou você já tem uma corrida, tem experiência. Ainda assim, é preciso manter-se sempre alerta, pois cenários, parceiros, métodos, conceitos, mudam.

Identificadas as variáveis, agrupadas, vamos ao passo dois: obter todo o conhecimento possível sobre elas. Mas todo! Claro, sempre prioritariamente a partir de fontes confiáveis, pois em tempos de internet e mídias sociais, há muita, mas muita bobagem sendo divulgada. Mas não vou, de forma alguma, assumir a hipótese de que tudo que rola na internet e mídias sociais não tem fundamento ou credibilidade. Só é preciso mais cuidado. Já relativamente às fontes confiáveis de que falei, vale todo tipo de informação especializada. E numa zona de transição entre variáveis controláveis e não controláveis, trabalhe com muito planejamento e informações de empresas craques em antecipação de cenários. Claro, muitas erram e é natural, não incompetência. Mas fará com que você possa antever algo à frente dos concorrentes. E se preparar para isso.

Feito este processo, você sentirá um gosto de bom de entendedor da situação (cuidado com este gosto!) e a partir daí que começa o ciclo da motivação.

Pareceu longo o processo que descrevi? Sem dúvida. Mas uma vez internalizado e colocado na rotina, ele não será longo mesmo. Pelo contrário, será rápido. As primeiras vezes serão mais trabalhosas, claro. Mas uma vez que isto faça parte do seu DNA, torna-se uma barbada. E aí lhe garanto: a partir do cumprimento destes passos, você automaticamente se sentirá dono da situação e realmente motivado! E com fundamento. Experimente esta prática e me conte.

E agora é hora de voltar à peleia! Vamos entrar para ganhar!

Comments