Morreu o cineasta e jornalista Aníbal Damasceno Ferreira

Personalidade histórica na Famecos, faleceu nesta quinta-feira, aos 80 anos

Morreu nesta quinta-feira, 11, aos 80 anos, o cineasta e jornalista Aníbal Damasceno Ferreira. Por mais de 30 anos, lecionou disciplinas de cinema na Famecos, marcando gerações de alunos e tornando-se personalidade histórica na instituição de ensino.  Entre os estudantes, era reconhecido por suas teses e pelo uso de gírias como ?os magros?. O velório será realizado logo mais, a partir das 18h30, na capela D, do Cemitério São Miguel e Almas. O enterro terá início nesta sexta-feira, 12, às 11h.
Natural de Erechim, Aníbal era especialista em Machado de Assis e Nelson Rodrigues e roteirista de filmes de Teixeirinha. No Jornalismo, iniciou como operador de áudio na rádio Universidade da Ufrgs. Também trabalhou na Farroupilha e nos jornais Clarín, Folha da Tarde e A Hora. Apaixonado por cinema desde criança, roteirizou diversos documentários e cinejornais de produtoras como a Leopoldis Som e a Interfilms.
Em suas aulas, costumava defender a tese de que três apetites regem as ações do ser humano. São eles: a fome, o sexo e o fasma - termo grego que significa representação. A teoria foi utilizada pelo também jornalista e cineasta Carlos Gerbase, no filme ?3 efes?. Em seu Facebook, Gerbase lamentou a morte de seu "primeiro professor de cinema". "Um pouco do cinema gaúcho morre com ele. Um dia muito triste para mim e para todos seus ex-alunos", escreveu.
Imagem

Comentários